Como desenvolver o potencial criador?





A criatividade está relacionada ao aspecto motivacional?


Piske é especialista na área da Criatividade e afirma que sim, o aspecto motivacional é importante para o desenvolvimento da criatividade.

Piske explica que uma prática educacional transformadora valoriza o estudante como um ser integral. 
O que isto quer dizer? É importante que o professor considere não somente a capacidade cognitiva de seus estudantes, sua racionalidade, mas também as suas emoções e sentimentos que também fazem parte do processo de ensino e aprendizagem, e são tão importantes quanto sua forma de raciocinar, e encontrar soluções para problemas.


E como desenvolver o potencial criador?

Conforme Piske (2014, 2016, 2018), a criatividade não é desenvolvida apenas com atividades artísticas ou que o instiguem a usar sua imaginação, sua fantasia, sua liberdade de expressão. Tudo isto só não basta. Seria preciso mais recursos para desenvolver seu potencial criador. Um trabalho que desenvolve melhor sua habilidade criativa está fundamentado em uma abordagem que envolve aspectos pessoais, emocionais, sociais e motivacionais. Além disso, o seu domínio de conhecimento na área de seu interesse pode ser aprofundado, uma vez que, tendo domínio e compreensão de certa área do conhecimento, estará mais capacitado para realizar importantes descobertas inovadoras.
Piske concorda que “quanto maior a bagagem de conhecimento e compreensão do que já foi pesquisado a respeito de tópicos de interesse da pessoa, maior a probabilidade de ela contribuir com ideias novas para o avanço da área em questão” (Alencar, 2007, p. 156).




Referências
Alencar, Eunice M. L. S. de. (2007). O papel da escola na estimulação do talento criativo. In: Fleith, Denise S. de & Alencar, Eunice M. L. S. de.  (orgs.). Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed.
Piske, F. H. R. (2013). O desenvolvimento socioemocional de alunos com altas habilidades/superdotação (AH/SD) no contexto escolar: Contribuições a partir de Vygotsky. Dissertação (Mestrado em Educação), Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Piske, F. H. R. (2014). Criatividade e inovação na educação de superdotados. In F. H. R. Piske et al. (Orgs.), Altas habilidades/Superdotação (AH/SD): Criatividade e emoção [High Abilities/Giftedness: Creativity and Emotion]. Curitiba: Juruá.

Piske, F. H. R. (2016). Alunos com Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD): Como identificá-los? In F. H. R. Piske et al. (Orgs.), Altas habilidades/Superdotação (AH/SD) e Criatividade: Identificação e atendimento [High Abilities/Giftedness and Creativity: Identification and Specialized Service]. Curitiba: Juruá.

Piske, F. H. R. (2018). Altas habilidades/superdotação (AH/SD) e criatividade na escola: o olhar de Vygotsky e de Steiner. Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR.





Postar um comentário

0 Comentários