Autismo, Superdotação e Mitos

  Você acredita que uma criança com autismo não possa ser superdotada? 

Que o autismo tem cura com o passar do tempo? 

Que somente os médicos podem ajudar as crianças com autismo?





Como Ph.D. em Educação e especialista em Educação Especial e Inclusiva, afirmo que não. Isto com base em estudos e em pesquisas sobre o transtorno do Espectro Autista – TEA (Assouline et al., 2008; American Psychiatric Association-APA, 2013; Meleady, et al. 2020; Ministério da Saúde, 2014; Hirai, et al. 2020; Davidson Institute, 2020,  PsychCentral, 2020, entre outros).

 

É possível definir o transtorno do espectro autista (TEA) como um transtorno do neurodesenvolvimento com genética complexa, caracterizado por comunicação social comprometida e comportamentos e interesses repetitivos (Hirai, et al. 2020; Assouline et al., 2008).


É um mito pensar que a criança com autismo não possa apresentar também superdotação. É possível haver casos de crianças com autismo que tenham também altas habilidades em alguma (s) área (s) de seu interesse. Este fato chama-se de dupla excepcionalidade, quando uma criança apresenta dois tipos de necessidades educacionais especiais (Assouline et al., 2008; Davidson Institute, 2020,  PsychCentral, 2020).


É um mito também pensar que o autismo tem cura com o passar do tempo, ou passa com a idade, como algumas pessoas pensam.  É fundamental que haja um tratamento baseado em pesquisas científicas o quanto antes para ajudar a criança com o transtorno do Espectro Autista – TEA., em sua interação social, em sua autonomia, entre outras questões que envolvem sua vida cotidiana.


Há famílias e professores que podem não valorizar uma intervenção precoce, porém quanto mais cedo for realizada a intervenção, melhores resultados poderão acontecer! Na ausência de terapia ou no caso do tratamento ocorrer de forma tardia, menor será a probabilidade da criança desenvolver suas habilidades.


Para finalizar, um outro mito é pensar que somente os médicos podem ajudar as crianças com autismo. Toda ajuda é importante, principalmente que seja baseada no conhecimento científico. A intervenção médica é muito importante para a criança com autismo, porém não é a única ajuda que ela pode receber. Em decorrência à ampla gama de distúrbios associados ao autismo, é importante que a criança com este transtorno conte com o apoio da família, dos profissionais da escola, de pessoas de seu meio social, em todos os momentos.


 

Acesse e siga! Blog: https://www.educacaodesuperdotados.com/


Siga! Instagram: fheller2904

 

 



Referências

 

American Psychiatric Association-APA. (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (5 edicao) Arlington, VA: American Psychiatric Publishing. 

Assouline, S. G.;  Nicpon, M. F;  Colangelo, N.;  O’Brien, M. (2008). The Paradox of Giftedness and Autism.  https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED535140.pdf

 

Davidson Institute (2020). Gifted children with Asperger's Syndrome. https://www.davidsongifted.org/search-database/entry/a10167#:~:text=AS%20is%20a%20disorder%20in,traits%20of%20a%20gifted%20child.

 

Hirai, T.;  Usui, N.;  Iwata, K.;  Miyachi, T.  Tsuchiya, K. J.  Xie, M.J.;  Nakamura, K.;  Tsujii, M.; Sugiyama, T.;  Matsuzaki, H. (2020). Increased plasma lipoprotein lipase activity in males with autism spectrum disorder. https://doi.org/10.1016/j.rasd.2020.101630

 

Meleady, J;  Nearchou, F.; Bramham, J. ; Carr, A. (2020). Family adaptation among parents of children on the autism spectrum without a comorbid intellectual disability:

A test of the Double ABCX model. https://doi.org/10.1016/j.rasd.2020.101637

 

Ministério da Saúde (2014). Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). 1 edição, Brasília. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_autismo.pdf     

 

PsychCentral  (2020). Autistic and Gifted: Supporting the Twice-Exceptional Child. https://psychcentral.com/lib/autistic-and-gifted-supporting-the-twice-exceptional-child/

 

 


 


Postar um comentário

0 Comentários