Gifted Education in Canada

Gifted Students in Canada

Clique aqui! Click here!




(Tradução logo abaixo)

Concerning programs for gifted students, Otto Schmidt affirms:

Gifted students are all over the place. Every country has them. Everybody has them with different degrees of giftedness and styles of learning.

The biggest problem in educating them is consistency. In Ontario, Canada, we have many different school boards and districts. Each one controls its own gifted education and may or may not have specialized teachers in the field. So serious problems arise. Highly populated areas, where there might be universities or colleges, will more than likely have a highly educated, intelligent population. There will almost naturally be more gifted students from gifted parents. If limits are put on sizes of gifted programs, selection criteria will then be very high. If students are being educated in a smaller city, town or village, the school boards cover a larger territory. In their smaller schools, they are more likely to have fewer gifted students and will find it difficult to cluster them. Schools in areas with smaller populations and a perhaps less educated population sometimes struggle to get enough students into their gifted programs and therefore selection criteria, so that a gifted group of students can be formed, can be significantly different by offering lower entry points.

[...].

What do we do with high-performance athletes? We put them in special schools. We give them expert training. We nurture them. We drop thousands and hundreds of thousands of dollars on the Olympic team, for example. We value talent. We value abilities. Why don’t we value intelligence in the same way? Why don't we put big money into developing intelligence? Let's respect intelligence. Let's give it its due.

So, why should we work just as hard, or harder, with gifted children and adults and nurture their abilities? If we put money into nurturing intelligence, young people that are highly intelligent, hopefully, cross fingers, will be possibly of greater benefit to our society. We do that so that they can be more productive in our societies and have a good future life for themselves as well. We all benefit from that.

One last thought. One of the worst things we have in our world is gifted criminals/evil people. Remember, they start out as gifted children with often special needs. They may not be inclined to go to “the dark side” unless something causes them to go there. Frustration. Boredom. Being misunderstood. Neglect. Being ignored. Not respected. Under-appreciation. Let’s make sure that our schools are not the sources of these catalysts. Value intelligence.  

 

 

Tradução:

Com relação aos programas para alunos superdotados, Otto Schmidt afirma:

Alunos superdotados estão por todo lado. Cada país os tem. Todos os possuem com diferentes graus de superdotação e estilos de aprendizagem.

O maior problema em educá-los é a consistência. Em Ontário, Canadá, temos muitos conselhos escolares e distritos diferentes. Cada um controla sua própria educação de superdotados e pode ou não ter professores especializados na área. Sérios problemas surgem. As áreas altamente povoadas, onde pode haver universidades ou faculdades, muito provavelmente terão uma população inteligente e altamente educada. Quase naturalmente haverá mais alunos superdotados de pais superdotados. Se forem impostos limites ao tamanho dos programas de superdotados, os critérios de seleção serão muito elevados. Se os alunos estão sendo educados em uma cidade menor, vila ou vila, os conselhos escolares cobrem um território maior. Em suas escolas menores, é mais provável que tenham menos alunos superdotados e terão dificuldade em agrupá-los. Escolas em áreas com populações menores e uma população talvez menos educada às vezes lutam para incluir alunos suficientes em seus programas para superdotados e, portanto, os critérios de seleção, de modo que um grupo de alunos superdotados possa ser formado, podem ser significativamente diferentes, oferecendo pontos de entrada mais baixos [...].

O que fazemos com atletas de alto desempenho? Nós os colocamos em escolas especiais. Oferecemos treinamento especializado. Nós os nutrimos. Gastamos milhares e centenas de milhares de dólares na equipe olímpica, por exemplo. Valorizamos o talento. Valorizamos habilidades. Por que não valorizamos a inteligência da mesma forma? Por que não investimos muito dinheiro no desenvolvimento da inteligência? Vamos respeitar a inteligência. Vamos dar o devido valor.

Então, por que devemos trabalhar tão duro, ou mais, com crianças e adultos superdotados e cultivar suas habilidades? Se colocarmos dinheiro no cultivo da inteligência, os jovens que são muito inteligentes, espero que com os dedos cruzados, serão possivelmente de maior benefício para a nossa sociedade. Fazemos isso para que eles possam ser mais produtivos em nossas sociedades e ter uma boa vida futura para eles também. Todos nós nos beneficiamos com isso.

Um último pensamento. Uma das piores coisas que temos em nosso mundo são criminosos superdotados / pessoas más. Lembre-se, eles começam como crianças superdotadas com necessidades especiais. Eles podem não estar inclinados a ir para o “lado escuro”, a menos que algo os faça ir para lá. Frustração. Tédio. Sendo incompreendido. Negligência. Ser ignorado. Não respeitado. Apreciação insuficiente. Vamos nos certificar de que nossas escolas não sejam as fontes desses catalisadores. Valorizemos a inteligência.


Postar um comentário

0 Comentários