Bullying na Educação de Superdotados

 BULLYING IN GIFTED EDUCATION

(Texto em inglês e traduzido para português logo a seguir). 


Dr. Groman has sent me an important video about Bullying in Gifted Education. 

 

Click here to see the video!


 Dr. Jennifer Groman



TEXT ABOUT THE VIDEO OF DR. GROMAN:

 Jennifer Groman’s Giftedness and Bullying video script.

 Thanks for letting me chat with you a little bit about bullying and gifted students today.

Gifted students are not more or less likely to be victimized than other students, but their characteristics and ways of interacting with the world may make their experience more complex, but those also give us – teachers, counselors, and administrators – specific things to look for. Also, while we often see gifted students as victims – weak or social awkward – they can also be very effective bullies themselves.

Bullying in children is based on differences, so our exceptional populations of students are likely to be targeted by a bully – gifted populations are about as likely to be victimized by a bully as general education students, but it is special education students who are most likely to be victimized. But there are types of gifted students who are more often targeted, students gifted in the arts, for example, tend to be more victimized. Gifted students and nongifted students who are androgynous or LGBTQ may also be more victimized by peers. And our gifted individuals often have difficulty socializing with age peers for a number of reasons and their isolation from peers makes them an easier target that is more vulnerable to bullying.








Bullies also prey on students with what they perceive as social anxiety. Gifted students often experience something called asynchronous development, where their social, intellectual and physical development may develop unevenly. Their intellectual development may be above their age peers while their physical and social abilities may be the same as or even less further developed than their age peers. Children like this will experience challenges in making friends. I had a students whose verbal development was so far above his peers that they simply did not understand him – his sentence structure and the advanced vocabulary simply stymied his peers. Social anxiety comes out of this inability to relate to peers, and this also contributes to the isolation of some gifted students.  

And bullies love to attack students who are emotional or are easily upset. One of the most powerful aspects of highly gifted individuals is their extreme sensitivity to the world. They may react to bullying in ways that motivate the bully, but also their sensitivity may cause them to internalize bullying they have gone through, which may intensify the experience and haunt them. Their sensitivity adds a layer of complexity to the gifted child’s victimization and how they react to it.






There is not a lot of research on the gifted student as a bully, but in my experience with middle school gifted students, I found that they actually can be very effective bullies for a number of reasons, mostly to do with traditional characteristics of gifted students.

Gifted students may have a high degree of empathy, that is, their ability to step into the feelings of others. While most individuals use this “gift” of empathy for good, some can use their knowledge of the feelings of others to prey on those feelings – teasing a classmate about weight, knowing that student is especially vulnerable or emotional about his weight.

Another characteristic of giftedness is advanced verbal ability. Flexible and biting use of language can be the hallmark of gifted students – here’s a great example from the comic strip Calvin and Hobbes, with Moe, the schoolyard bully.

*read this*

A gifted child can easily bully a peer by speaking over his head in this way, especially if the onlookers value or fear the gifted child over the weaker or victimized one. High empathy in gifted students, I often say, can be used for positive purposes, but can also be used for nefarious ones.

To teachers I would suggest that they just be aware that there are many, very subtle ways that children can bully one another. Getting to know students on an individual basis, which is one of the foundational beliefs of all of the teachers I know and have worked with, is probably the most powerful tool teachers have to identify bullying and victimization in any population of student.

It’s also important that teachers are aware of signs to look for on, say the playground or during less structured time in the school day. Body language, facial expressions, an imbalance of leadership or power between students are all important to gauge when looking at how students interact. This is also where knowing students individually and personally can be enormously helpful.

Gifted students are probably not more likely to be bullies or victims, but their specific characteristics and ways of being in the world make their experiences complex. The encouraging part of this is that these characteristics also give us specific things to look for in the bullying by and victimization of gifted students.  

 





 

Biography:

 

Dr. Jennifer Groman

PhD, is a teacher, singer, and songwriter who has worked with students from two years old to the graduate level, in general education, talent development education, creativity studies and songwriting, reading and math intervention. She has worked as a state level gifted consultant and teacher trainer and at the local level in arts administration. She has four self-produced albums of her own music and big band jazz. She is an Assistant Professor and directs the graduate program in Talent Development at Ashland University, and she is a visiting lecturer for the Talent Development Program at McNeese State University. She lives in Wooster, Ohio. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7459-2406 

 

Site: https://www.ashland.edu/coe/faculty-staff/dr-jennifer-groman

 

 

 

Doutora Jennifer Groman

 

 VEJA O VÍDEO! CLIQUE AQUI!


TEXTO EM PORTUGUÊS:

Roteiro do vídeo Superdotação e Bullying de Jennifer Groman.

Obrigada por me deixar conversar um pouco com você sobre bullying e alunos superdotados hoje.

Alunos superdotados não são mais ou menos propensos a serem vítimas do que outros alunos, mas suas características e formas de interagir com o mundo podem tornar sua experiência mais complexa, mas também nos fornecem - professores, conselheiros e administradores - coisas específicas para procurar. Além disso, embora muitas vezes vejamos alunos superdotados como vítimas - fracos ou desajeitados socialmente - eles também podem ser agressores muito eficazes.

O bullying em crianças é baseado em diferenças, portanto, nossas populações excepcionais de alunos provavelmente serão alvo de um agressor - populações superdotadas têm tanta probabilidade de ser vitimadas por um agressor quanto os alunos do ensino geral, mas são os alunos de educação especial os mais prováveis a ser vitimados. Mas existem tipos de alunos superdotados que são o alvo mais frequente; os alunos superdotados nas artes, por exemplo, tendem a ser mais vitimados. Alunos superdotados e alunos não-superdotados que são andróginos ou LGBTQ também podem ser mais vítimas de seus colegas. E nossos indivíduos superdotados muitas vezes têm dificuldade em se socializar com seus pares por uma série de razões e seu isolamento dos colegas torna-os um alvo mais fácil e mais vulnerável ao bullying.

Os agressores também atacam os alunos com o que eles percebem como ansiedade social. Alunos superdotados geralmente experimentam algo chamado de desenvolvimento assíncrono, onde seu desenvolvimento social, intelectual e físico pode se desenvolver de forma desigual. Seu desenvolvimento intelectual pode estar acima de seus pares de idade, enquanto suas habilidades físicas e sociais podem ser as mesmas ou até menos desenvolvidas do que seus pares de idade. Crianças assim terão desafios para fazer amigos. Tive alunos cujo desenvolvimento verbal estava tão acima de seus colegas que eles simplesmente não o entendiam - sua estrutura de frase e o vocabulário avançado simplesmente frustraram seus colegas.

 

A ansiedade social surge dessa incapacidade de se relacionar com os colegas, e isso também contribui para o isolamento de alguns alunos superdotados.

E os agressores adoram atacar os alunos que são emocionais ou ficam facilmente chateados. Um dos aspectos mais poderosos de indivíduos altamente dotados é sua extrema sensibilidade para com o mundo. Eles podem reagir ao bullying de maneiras que o motivem, mas também sua sensibilidade pode fazer com que internalizem o bullying pelo qual passaram, o que pode intensificar a experiência e assombrá-los. Sua sensibilidade adiciona uma camada de complexidade à vitimização da criança superdotada e como ela reage a isso.

Não há muitas pesquisas sobre o aluno superdotado como um valentão, mas em minha experiência com estudantes superdotados do ensino médio, descobri que eles realmente podem ser valentões muito eficazes por uma série de razões, principalmente relacionadas às características tradicionais dos alunos superdotados .

Alunos superdotados podem ter um alto grau de empatia, ou seja, sua capacidade de interferir nos sentimentos dos outros. Enquanto a maioria das pessoas usa esse “dom” de empatia para o bem, algumas podem usar seu conhecimento dos sentimentos dos outros para atacar esses sentimentos - provocando um colega sobre o peso, sabendo que o aluno é especialmente vulnerável ou emocional em relação ao seu peso.

Outra característica da superdotação é a habilidade verbal avançada. O uso flexível e cortante da linguagem pode ser a marca registrada dos alunos superdotados - aqui está um ótimo exemplo da história em quadrinhos de Calvin e Hobbes, com Moe, o valentão do pátio da escola.

*Leia isso*

Uma criança superdotada pode facilmente intimidar um colega falando sobre sua cabeça dessa maneira, especialmente se os espectadores valorizam ou temem a criança superdotada em vez da mais fraca ou vitimizada. Costumo dizer que a grande empatia em alunos superdotados pode ser usada para propósitos positivos, mas também pode ser usada para os nefastos.

Aos professores, gostaria de sugerir que eles apenas fiquem cientes de que existem muitas maneiras sutis das crianças intimidarem umas às outras. Conhecer os alunos individualmente, que é uma das crenças fundamentais de todos os professores que conheço e com quem trabalhei, é provavelmente a ferramenta mais poderosa que os professores têm para identificar o bullying e a vitimização em qualquer população de alunos.






Também é importante que os professores estejam cientes dos sinais para procurar, por exemplo, no parquinho ou em horários menos estruturados do dia escolar. Linguagem corporal, expressões faciais, um desequilíbrio de liderança ou poder entre os alunos são importantes para avaliar ao observar como os alunos interagem. É aqui também que conhecer os alunos individualmente e pessoalmente pode ser extremamente útil.

Estudantes superdotados provavelmente não são mais propensos a serem agressores ou vítimas, mas suas características específicas e modos de estar no mundo tornam suas experiências complexas. A parte encorajadora disso é que essas características também nos fornecem coisas específicas a serem observadas no bullying e na vitimização de alunos superdotados.

 

Biografia

Dra. Jennifer Groman

PhD, professora, cantora e compositora que trabalhou com alunos de dois anos até a pós-graduação, em educação geral, educação para o desenvolvimento de talentos, estudos de criatividade e composição, leitura e intervenção matemática. Dra. Groman trabalhou como consultora talentosa a nível estadual e formadora de professores e a nível local em administração artística. Ela tem quatro álbuns auto-produzidos de sua própria música e big band de jazz. Ela é professora assistente e dirige o programa de pós-graduação em Desenvolvimento de Talentos na Ashland University, e é professora visitante do Programa de Desenvolvimento de Talentos na McNeese State University. Ela mora em Wooster, Ohio. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7459-2406

 

Site: https://www.ashland.edu/coe/faculty-staff/dr-jennifer-groman

 

 

 

Postar um comentário

0 Comentários