Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Autismo e superdotação

Autistas e superdotados, como compreendê-los?

Imagem
Autismo e superdotação, conheça mais sobre essas necessidades especiais! (Text in Portuguese and in English)   O autismo é um transtorno, conhecido como transtorno do espectro autista (TEA).  Esse transtorno refere-se a uma ampla gama de condições caracterizadas por desafios com habilidades sociais, dificuldade de interpretação, comportamentos repetitivos, fala e comunicação não verbal. São algumas características que, muitas vezes, impedem a criança autista de interagir e interpretar as pessoas e as coisas ao seu redor (Autismspeaks, 2021). Não existe um único tipo de autismo, mas muitos subtipos. Grande parte influenciados por uma combinação de aspectos genéticos e ambientais. Como o autismo é um transtorno do espectro, cada criança com autismo tem um conjunto distinto de pontos fortes, deficiências e desafios a serem reconhecidos e atendidos ( Rogers, & Dawson, 2014; Brites, & Brites, 2019).   Cada criança autista pode aprender de forma diferente, umas com mais facilidade

Autismo e Superdotação: possíveis equívocos

Imagem
  Autismo e superdotação: é possível confundir estas necessidades educacionais especiais? (Text in Portuguese and in English).   É possível haver profissionais que confundam autismo com superdotação. Um dos maiores equívocos é pensar que a criança com autismo é sempre muito limitada, e isto não é verdade. A criança com autismo pode apresentar muitos talentos. Em alguns casos de autismo, há h iperlexia e esta síndrome pode confundir algumas famílias e profissionais da educação e da saúde.   O que é hiperlexia? Trata-se de uma síndrome, muitas vezes presente em crianças com autismo , que envolve a capacidade de leitura precoce e a obsessão por números e letras. Isto quer dizer que a criança com autismo pode aprender a ler precocemente. Há casos de crianças com 3 anos de idade que já apresentam esta capacidade, no entanto, elas têm muita dificuldade de interpretar e de se comunicar. Esta síndrome inclusive pode confundir muitos profissionais (professores, psicólogos, entre o